lutas de animais selvagens batalha animal pela sobrevivencia

Merge-arrow 2.svg Este artigo ou secção deverá ser fundido com Rhinocerotidae. (desde fevereiro de 2014)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Como ler uma caixa taxonómicaRinoceronte
rinoceronte-branco
rinoceronte-branco
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Perissodactyla
Superfamília: Rhinocerotoidea
Famílias
Amynodontidae
Hyrachyidae
Hyracodontidae
Rhinocerotidae
Os rinocerontes são grandes mamíferos perissodátilos (com número ímpar de dedos em cada pata) caracterizados por apresentarem uma pele espessa e pregueada e um ou dois chifres sobre o nariz; é esta característica que está na origem do nome.
Estes animais habitam as savanas e florestas tropicais da África e Ásia pertencendo, na terminologia do safári, ao grupo de animais selvagens chamado de big five, correspondente aos cinco animais mais difíceis de caçar: leão, leopardo, elefante, búfalo e rinoceronte. A caça desses animais está, contudo, oficialmente proibida na maior parte dos países onde ainda existem.

Os rinocerontes estão seriamente ameaçados de extinção [1] apesar da maior parte se encontrar em parques e reservas onde é proibida a sua caça. Infelizmente, tal não impede que os caçadores furtivos continuem a dizimá-los pelo elevado valor dos seus chifres nos mercados asiáticos. Os cornos de rinoceronte africano são ilegalmente contrabandeados para a Ásia como “produto medicinal” devido ao seu alegado «poder curativo», acreditando-se que têm propriedades afrodisíacas e curativos de cancro, pelo que chegam a valer no mercado negro 65 mil dólares por quilo.[2]
Na África Austral foi constituída uma reserva transfronteiriça (Great Limpopo Transfrontier Park) juntando o Parque Nacional Kruger da África do Sul, o Parque Nacional Gonarezhou do Zimbabué , devido a um acordo de conservação entre as três nações.
Contudo as autoridades não foram capazes de garantir a segurança das fronteiras que passaram a funcionar como entrada dos caçadores furtivos para as zonas vizinhas. No Parque Kruger da África do Sul restavam apenas 69 indivíduos em Abril de 2013, depois de terem sido mortos 180 nos primeiros meses desse ano e 668 em 2012





Animais Selvagem